Toda terça-feira, há 5 anos, o físico Luiz Alberto Oliveira vem falar de filosofia aqui. É muito útil. Ninguém quer ser intelectual, mas a gente fica com uma idéia do planeta, que está lá no fim da galáxia, longe de tudo. Isso dá a você uma idéia melhor da precariedade do ser humano, que é um fodido. Nasce, morre, como outro bicho qualquer, então por isso mesmo ele deve ser mais modesto, não pensar que é importante. O sujeito que pensa que é importante é para mim um débil mental. -Oscar Niemeyer

domingo, dezembro 28, 2003

What Wild Cat Are You?

=^..^=

SNOW LEOPARD



  • My #1 result for the SelectSmart.com selector, What Wild Cat Are You?, is Snow Leopard





    A última news do ano é que fui classificado, passei no concurso do Banco do Brasil...! Esse foi o primeiro concurso que eu resolvi fazer neste período, logo de cara. Eram centenas de milhares de candidatos no Brasil inteiro, uns 30 mil só em POA. Não é a melhor coisa do mundo, mas eu também não havia preparado... Agora falta ser chamado... (até rimou... rs)!! Se não me mandarem assumir no "raio que os parta", ficando na "microrregião Porto Alegre", tudo bem!!! Preciso estudar e rezar para passar na Assembléia, esse sim é o 'must'... rs


    ATA (A Tocar Agora) - John Coltrane, Ascension (1965)
  • quarta-feira, dezembro 17, 2003

    Um post para desejar



    FELIZ NATAL E ANO NOVO!!!!!




    Tuuuuuuuuudo de bom!!!!!!!!!!!!

    ______________

    Novidade: sem ter preparado ou estudado nada, porque foi uma decisão de última hora (fiz a inscrição na quarta, a prova foi domingo), passei na Ritter. Isso com mudança, aulas e outras coisas incomodando bastante, tendo dormido duas horas na véspera. Sinceramente, nem eu esperava. Ok, o cara está foda mesmo... rs

    Enfim, posso decidir tranquilamente o que irei fazer, e onde. A idéia é darcontinuidade estudando para os concursos, matar o pouco que resta na computação, adentrando ao mesmo tempo nas ciências jurídicas e sociais.

    Fiquei super contente com o apê novo! Tive (e quis) que fazer tudo sozinho, montar cama, roupeiro, armário, organizar tudo. Fiquei cansado pra caramba. Ainda por cima, as instalações elétricas estavam bifásicas (110/220V), o que deveria ser interessante, mas todas as tomadas e luminãrias estavam em 220. Eu pensava que em 220 estaria instalada apenas a rede destinada a maior carga elétrica (ar condicioinado, chuveiro, etc.). Quer dizer, como tudo o que tenho é 110, estou tomando banho gelado desde domingo, e não pude instalar nada.

    ______________

    Algo de novo aconteceu, mesmo com crises de estresse e choro (porque ninguém é de ferro), há muito tempo eu não me sentia tão leve...

    Passarei o natal com a família.

    bacci a tutti,
    M.

    segunda-feira, dezembro 15, 2003

    Perdi completamente o estro em escrever. Antes funcionava como fundo de criatividade literária, entretanto foi o suficiente. Tento escrever sobre outras coisas, modifico e deleto posts, mas definitivamente este espaço perdeu o sentido. Também entendo que não há sentido algum em escrever coisas pessoais, parece ridículo escrever sobre minha vida aqui, muito menos sentimentos... há ainda a exposição a interpretações diversas e equívocas. Ninguém tem o direito de me julgar por coisas que não lhe dizem respeito, que ocorreram há muito tempo, que ficaram para trás ou por meras impressões, principalmente sem ter a mínima noção do que se passou. Por exemplo, a dor pela perda de um ente querido. Às vezes eu estava caminhando na rua, em aula ou qualquer outro lugar, e tinha que me enfiar dentro de um banheiro para poder chorar. A dor que se dá dentro do peito é insuportável, sufocante, é maior do que qualquer dor física que eu já experimentei. Nestes momentos, tudo o que se deseja é um abraço, e como faz falta! Pior ainda é ocorrer um juízo errôneo, justamente neste momento em que estou super resolvido a passar por cima de arrependimentos, pessoas e decisões equivocadas, porque isso muito me incomodava. O que passou, passou, há que pensar-se para frente. Unfair.

    Em parte, pode-se dizer que meu problema é que eu penso demais. Sim, mas é pensando que se aprende, do contrário, nossa civilização estaria ainda "comendo frutinhas nas árvores". Há bastante tempo atrás eu escrevera que "ser feliz requer certo grau de inconsciência". Lembro-me de um filme com Peter Sellers, em que ele interpretava um jardineiro que nunca saíra para o mundo exterior. Era simplório, mas se contentava com coisinhas simples, ficava feliz com seu jardinzinho, regando suas plantas. Quem pensa demais também torna-se mais suscetível a mágoas, tristezas, maior sensibilidade, questiona. Apesar disso, observo que eu tento aparentar certa frieza, uma máscara, quiçá um mecanismo de proteção. Eu me deixei magoar? Pode ser. Talvez tenha sido inevitável. Circunstâncias, tudo tem seu tempo.

    Quando eu conhecia uma pessoa especial, tinha tendência a questionar "será que ela gostou de mim?". Esse tipo de questionamento tem que ser evitado, porque questiona-se algo que deve ser favorável. Ou seja, eu me detono. Mesmo porque é difícil alguém não gostar de mim! Em contrapartida, pensaria "eu não mereceria uma pessoa tão especial". Esse tipo de pensamento desfavorável é que deve ser questionado. "Será?". Porque nosso cérebro tende a aceitar alguns tipos de de pensamentos, sejam certos ou errados, como "leis", criando em torno destes todo um suporte, inclusive os geradores de baixa auto-estima. No meu caso, creio que todo o pano de fundo girava em torno de afeto. Mas de forma alguma posso ser culpado por "pensar demais", mesmo porque eu sou assim! Não vou sair na rua culpando uma criatura porque tem o nariz torto, assim como uma pessoa não pode ser culpada pela burrice, por ter nascido limitada! Esta potencialidade pensante deve ser utilizada de forma construtiva, favorável, é no que eu tenho me esforçado. Estou muito orgulhoso da pessoa que me tornei, desejo mais do que nunca ser feliz, estar feliz. Sou bom demais.

    Por fim, quem deseja que outras pessoas acessem seu diário? Ninguém. Sem disponibilidade para criação literária, significa: doravante não mais irei escrever nestas linhas cibernéticas, destinando poesias e manuscritos às gavetas. :-)

    Verdadeiramente importantes na vida são amor (sob os diversos silogismos que este pode assumir), felicidade e saúde; paz. O que é realmente importante não está à venda, é insubstituível, a própria vida.

    Bem, preciso ir. Despeço-me, portanto, deste espaço...

    C ya!!
    God bless.

    with love and respect,
    M.
    Here I am, trying to lay down a few lines on the screen.

    Weekend

    O final de semana foi para enlouquecer, aula sábado de manhã, mudança à tarde, prova domingo cedo, organizar a mudança inteira domingo à tarde...
    Estressante pacas...!

    ____________

    The Crush of Love

    Se é muito raro acontecer, é impressionante como uma paixão "violenta" pode tirar uma pessoa do seu estado "normal". Agimos de forma estranha, fazemos coisas estranhas, falamos coisas estranhas, pensamos coisas estranhas, deixamos de analisar a situação com clareza... uma paixão deste tipo faz uma criatura sair da normalidade, viaja mesmo. Ao mesmo tempo em que assusta e intimida outras pessoas, assusta-nos também, e certamente vai afetar o juízo que outrem porventura possa fazer de nós. É quase uma sensação de auto-desconhecimento. Definitivamente, não é muito saudável...!

    Paixões febris fazem um sujeito comportar-se tal qual uma marreca cagada. Uma análise clara, concisa e adequada das coisas faz vê-las com maior clareza: por quê tanto desespero, pelamordedeus? Nem toda a sabedoria ou paixão precisam ser tão graves, ou melhor, não precisam ser graves, bastando a cada dia a sua dor. Sem celeumas ou complicações. Relax and enjoy!

    Devagar com o andor... é bem melhor! rs

    Minha capacidade de cura me surpreendeu. De qualquer forma, independente-te do que acontecer, de quem gostamos, queremos por perto. Não sou de afastar pessoas legais de meu convívio, nem de guardar mágoas ou ressentimentos, coloca-se uma postura madura e correta. Prefiro julgar circunstâncias a pessoas, porque, na maioria das vezes, meramente as circunstâncias não foram propícias. Claro, dependo do juízo que fazemos da pessoa, porque há criaturas que extrapolam mesmo! A vida é constante mudança, aprendizado, mesmo admitindo que, por mais que tenhamos aprendido uma lição, esta pode se nos apresentar sob diversas facetas.

    Apaixonar-se pode requerer apenas um sorriso, um olhar, uma gentileza, atração, mas para gostar verdadeiramente de alguém, é necessário conhecer, estar junto, dividir, desejar, requer paciência, compreensão, confiança.

    _____________________

    Mudança

    Sábado à tarde foi momento de empacotaqr tudo, a empresa veio e colocou tudo em um caminhão. Foi terminar apenas às dez da noite, e eu ainda tinha uma formatura para ir. Cansado e com prova no outro dia, não fui. Domingo, após a prova, tive que montar a cama, o armário, analisar como ficariam melhor, desempacotar coisas, colocar no lugar o que foi possível. Simbolicamente, deixei um monte de tristezas para trás, ficaram no antigo apartamento. Preferi não chamar ninguém. Preciso admitir que fiquei meio tristinho em alguns momentos, mas aquele precisava ser um momento só meu. Assim o foi.

    Hoje preciso conseguir um eletricista, para dar uma olhada antes de instalar quaisquer aparatos elétricos, colocar os ventiladores de teto, luminárias (geralmente sou sempre eu quem faço), etc.

    _________________

    O tricolor escapou ao rebaixamento!!
    Simplesmente ignorei o jogo, fiquei sabendo o resultado apenas à noite. Não faz diferença para a minha vida, mas ver meu time no fundo do poço não é uma situação agradável... rs

    sábado, dezembro 13, 2003

    Questão de ordem: em decorrência da mudança de endereço, ficarei sem computador por uns dias, acessando apenas em cybercafés...
    Em resposta a meu post anterior, recebi uma mensagem muito legal ontem à noite:


    hummmm...aiaiaiai....hummmmmm......
    pensamentos, pensamentos....mas não sei o que dizer diante desse teu texto...
    na verdade é muito cômodo para mim pensar ser alguém assim, como vc, uma pessoa especial e que parece andar na contramão do mundo por excesso de capacidade, e não falta..mas não sei não, Marcus..
    será que pensar assim não é também uma inabilidade nossa em perceber o que há de rico nos "espíritos pobres"?
    te juro que muitas vezes na minha vida penso em largar de mão algumas pessoas que considero toscas e, te digo, muitas vezes acabo fazendo e me sentindo bem com isso..mas outras vezes é justamente uma pessoa que se mostrou insensível em determinado momento aquela que me dá a mão em outra situação muito pior...acho que funciona um pouco assim o relacionamento familiar..ou o amor....quem dera as pessoas fossem todas como nós, mas será que suportaríamos um mundo assim? pois é...me convenço então que o caos do mundo anda em perfeita ordem e não poderia ser diferente. não sei se isso é otimismo, pessimismo ou niilismo (ou um pouco de cada..), mas acho que o mundo e as pessoas não poderiam estar em situação melhor, por pior que estejamos. afinal de contas, somos apenas animais, não podemos exigir mais do que temos da natureza, principalmente depois de tudo que nossos antepassados já fizeram à ela...
    agora, essa história de levar pães de queijo de manhã para alguém, te asseguro que pessoas assim não dão em árvores..uma pena...
    mas não é só isso que te faz especial...tenho pra mim que qto mais sincera consigo e com o mundo (mesmo que isso implique em mentiras necessárias) for uma pessoa, mais especial ela é...claro que posso estar enganada ou mudar de opinião daqui a pouco, mas isso faz parte.
    vc é especial, Marcus.
    um beijo, Char
    Resolvi retomar este post. Porque, afinal, coloca-se como uma constatação muito pertinente.

    "Viaje segundo seu projeto próprio, dê mínimos ouvidos à facilidade dos itinerários cômodos, aceite enganar-se na estrada e voltar atrás, ou, pelo contrário, persevere até inventar saídas desacostumadas para o mundo. Não terá melhor viagem....A felicidade tem muitos rostos. Viajar provavelmente é um deles. Entregue as suas flores a quem saiba cuidar delas, e comece. Ou recomece. Nenhuma viagem é definitiva."

    José Saramago

    _____________________________________________________

    Através de exemplos práticos, creio ter compreendido em plenitude o significado do trecho "entregue as suas flores a quem saiba cuidar delas". Sim, cansado de ter que lidar com pessoas imaturas ou desprovidas de uma condição razoável de inteligência emocional, sensibilidade, capacidade afetiva, ou mesmo, desprovidas de inteligência... qualquer. Podemos dizer que são características intrinsecamente ligadas. Pessoas 'limitadas', incapazes de valorizar algumas coisas verdadeiramente importantes ou enxergar além do próprio umbigo.

    O problema é ser tão correto (e porque se quer, por ser efetivamente assim) e ver que há TÃO POUCAS pessoas no mundo que se aproximam deste comportamento. É frustrante. Isso costumava deixar-me muito triste, porque eu pensava que o problema era comigo... de forma alguma, isso torna-me especial.

    Dá vontade de chutar o balde de vez em quando, mandar este tipo de pessoas às favas. "Vai plantar batatas!!" Não adianta. Porque quem é assim, especial, não consegue ser diferente, porque fere aos próprios valores, que por sinal, não devem ser mudados. Não é questão de tentar mudar os outros, mas de aprender a escolher !!!! "entregue as suas flores a quem saiba cuidar delas".

    Se não está fazendo bem, passe-as para o rol das coisas sem importância, esquecíveis, é necessário dar um basta. A estas pessoas, diga "dane-se"! Faz-se mister escolher as pessoas com quem a gente quer conviver, os amigos que nos valorizam e os relacionamentos que nos fazem BEM.

    Não é uma questão de ser egoísta, mas de auto-valoramento, auto-estima. Valorizar a quem nos valoriza é essencial. Este tipo de pessoas 'pequenas' a que me refiro, são o tipo que, "quando têm a faca e o queijo na mão, não dão valor". São piores do que aquelas que "só valorizam depois que perdem", porque estas aprenderam alguma lição.

    Infelizmente a maioria são pessoas incapazes de compreender ou apreciar a beleza nas pequenas coisas, nos pequenos gestos, em um abraço, um sorriso, um olhar meigo, amizade, sinceridade, gentileza, compreensão, fidelidade, paciência, companheirismo, palavras verdadeiras, carinho, paixão, amor. Emberbes, imersas em superficialidade, atreladas à ignorância.

    Pessoas que possuem uma visão limitada do mundo, incapazes de interpretar ou discernir do universo que as cerca, aquilo que é importante. Incapazes de se colocarem no lugar dos outros. São pessoas que, quando estamos ao lado, quando seguramos a barra nos momentos difíceis, sequer percebem que havia uma mão ali, segurando firmemente a mão delas.

    Pessoas que trocam um convite para almoço, no teu aniversário, por uma sessão de hidroginástica. Recusam um convite para um cinema, porque têm que ir ao supermercado, uma atividade que vai custar no máximo 25 minutos, ou porque preferem passar o domingo inteiro dormindo. Que priorizam coisas de menor importância em detrimento de você, de mim. Eu sou o tipo de pessoa que sairia cedo de casa, pela manhã, para levar um café com frutas e pães-de-queijo para alguém especial. Que largaria tudo o que estivesse fazendo, por um momento especial com alguém especial.

    Como descobrir quando alguém é especial, quando essa pessoa merece? Deixe-se levar pelo coração, mas não totalmente. Olhe bem nos olhos, lá estará a resposta. Como é você??

    É muito importante cercar-se de pessoas GENTE. Pessoas com caráter, com valores, que tenham coração, que nos dêem valor.
    Leonardo Boff poderia ter nos poupado, pelo menos, desse trecho. Perdoem-me, o texto é sim interessante, mas tratar esse início com um epíteto de "sem presunção" foi de uma falsa modéstia atroz. Como se o autor estivesse, a priori, antecipadamente, desculpando-se por sua jactância e presunção.

    Até poderia aceitar caso se tratasse o texto de uma carta de Machado de Assis, José de Alencar, Umberto Ecco, Baudelaire, etc. Leonardo Boff comparando-se a Beethoven? Por favor. O autor coloca-se tão somente à mercê da ridicularização. O efeito de tais reflexões foi tão somente "conjunto vazio", NIL, {}, quando muito, risível.

    Leonardo Boff coloca-se mais para Patètique de Beethoven, do que para Pour Elise.
    Patético.

    Destaco: "Há poucas músicas mais apaziguadoras que "Pour Elise" de Beethoven. Sem presunção, desejaria que minhas reflexões tivessem semelhante efeito."




    Pour Heloïse Helène

    Leonardo Boff


    Há poucas músicas mais apaziguadoras que "Pour Elise" de Beethoven. Sem presunção, desejaria que minhas reflexões tivessem semelhante efeito. A senadora Heloísa Helena é para mim irmã e companheira de sonhos, de caminhada e de lutas.
    Como a maioria dos teólogos da libertação, ela e nós, somos filhos da pobreza e fizemos em nossas vidas a opção pelos pobres, contra a pobreza e em favor da vida
    e da libertação.
    Como ela, nos enchemos de iracúndia sagrada face às injustiças do mundo e à humilhação de nosso povo. E quem, face a esses cenários dramáticos, não se
    indignar é inimigo de sua própria humanidade. E há muitos em nosso pais e no mundo. Mas entre eles nunca esteve Heloísa Helena. Ela mantém a chama viva da herança dos profetas e do maior deles, Jesus de Nazaré. Não aceita negociar e entrar em alianças que impliquem esquecer o sofrimento das grandes maiorias empobrecidas. Especialmente, quando só fazem aumentar a dor.
    O PT se caracterizou como aquele partido que se propôs escutar o clamor da Terra e fazer uma política de mudanças que eliminasse as razões para continuar a gritar. Esse é o seu compromisso sagrado, selado com suor e sangue de muitos militantes e de tantos na sociedade que não sendo do Partido, como eu e Frei Betto, apostamos que agora se daria a ruptura instauradora e se inauguraria um Brasil diferente daquele que herdamos há quinhentos anos.
    Todos sabemos, o PT no governo herdou um dilúvio. No lugar de uma Arca de Noé, encontrou um Titanic afundando. Teve que fazer de tudo para transformá-lo num transatlântico salvador. E agora, redirecionado, deveria apontar para as mudanças em nome das quais foi salvo e existe: mais centralidade aos pobres e excluídos, desenvolvimento social mais que puro crescimento econômico, mais ouvidos
    aos da Planície que aos do Planalto. Tal orientação é essencial à identidade política do PT.
    Enfraquecê-la, postergá-la, acomodá-la por razões de governabilidade é desnaturar o PT, defraudar a esperança que venceu o medo e perder a chance, talvez única em nossa geração, de fazer transformações estruturais com democracia. Para isso precisamos de sinais concretos mais que de discursos. E esses não ganharam ainda clareza suficiente para nos convencer.
    Esse é o pano de fundo do inconformismo e do dedo em riste da senadora Heloísa Helena. Sua palavra cortante atinge o nervo da questão e mobiliza a todos. Sua causa é verdadeira, seu móvel é o amor aos pobres mediado pela militância no PT, seu objetivo é puro como nos profetas bíblicos: convocar o Governo para a aliança das origens e para o sonho que não! pode morrer.
    Nenhum profeta deve ter muito amor ao seu pescoço, pois nenhum deles morreu na cama. Mas ai do poder que se orientar somente por sua lógica linear e se esquecer de que a saúde de todo poder é conviver com o anti-poder que o impede de ser autoritário e absolutista. E silenciar, marginalizar e expulsar Maria Helena é mostrar-se fraco e incapaz de aprender da contradição.
    Por favor, não imitem a Igreja Hierárquica Católica que sempre caça o pensamento divergente (fui uma das vítimas) e que ao expulsar Lutero de seu seio expulsou a
    massa crítica e se mediocrizou até os dias de hoje.
    Queremos um PT que resiste às tentações do poder central que tudo uniformiza. Queremos Heloísa Helena no PT assim como é, profética, irada e cheia de
    enternecimento.

    quinta-feira, dezembro 11, 2003

    Hoje a Nane veio aqui em casa. Curiosamente, bateu à porta justamente em um momento no qual eu estava às lágrimas, abraçado ao Fê. Que grande amigo é esse cãozinho! Apesar de estar atravessando um momento profundas mudanças (ainda que bastante estressante e tenso), muito positivo, benéfico, de otimismo, algo muito importante tem me deixado triste. Nestes momentos eu desabo mesmo, sem subterfúgios. Chorar pode ser bom, mas coversar é sempre melhor. Além do mais, creio que somadas todas as lágrimas, estas foram o suficiente pelo resto de minha vida! Sofrimentos são coisas que nos fazem crescer, nos tornarmos melhores, mas incomodam!

    Bem, voltando ao assunto, foi um reencontro com um quê de despedida, uma vez que é neste momento no qual deixo esse apartamento. Conversamos bastante, fiquei feliz em saber que ela está super bem, amadureceu um monte desde os tempos pretéritos. Assim como eu. Foi bom, porque por piores que tenham sido as circunstâncias passadas, há muito não há quaisquer resquícios de ressentimentos ou mágoas.

    Estranhei um pouco o excesso de gentilezas, ganhei um panetone e uma garrafinha de licor, assim com o Fê, que ganhou uma bola... perceber o apreço e gratidão de uma pessoa que há tanto tempo fez parte da minha vida deixou-me muito orgulhoso, contente mesmo. Não brilhou nenhuma luzinha, nenhum 'spark', nem poderia ser diferente. Ficamos amigos, apenas não nos víamos. Querer bem as pessoas que fazem ou fizeram parte de nossas vidas, é essencial. Está entre aquelas coisas que ficam de mais importantes.

    _____________________

    Hoje estragou meu chuveiro: banho frio pela manhã...
    Neste momento, não parece haver o que escrever neste espaço, uma vez perdido o estro. Porque são coisas que eu escrevia, de mim e para mim, como forma de elaboração, não deveriam ser lidas, mas sim destinadas às gavetas. Ainda assim, é certo dizer que eu quisesse compartilhar com alguém. Em determinado momento foi criado um personagem literario que era praticamente uma antítese amplificada de como eu sou, como eu estou. Foi bom exercício literário, criativo, mas perdeu completamente o sentido com o desaparecimento deste ser amargo, misantropo, taciturno, niilista, noir, mórbido. Funcionava talvez como forma de botar para fora algumas antíteses, agressividade contida. Por outro lado, eu sou muito diferente, meigo, esperançoso, afetivo, compreensivo, politicamente correto, leal. Mas em certos momentos parece que ficamos engolindo tantas coisas, que dá vontade de botar a boca no mundo! Você nunca teve vontade de sair xingando o mundo inteiro? Era também uma forma de desabado. Analisar algumas posições opostas, antagônicas, e ainda manter a habilidade funcional, é assaz interessante, porque a verdade não pode ser vista como apenas uma, e essa análise sob os diversos prismas que se nos colocam é um exercicio de compreensão quase ilimitada. Eu nunca magoei alguém que eu gostasse em minha vida, seria a última coisa no mundo que eu faria, porque sempre tivera essa capacidade de compreensão. Por vezes eu escrevia sobre minhas coisas, que misturavam-se a estas em um estranho caldo de idéias difusas que provavelmente tenham se colocado de forma equívoca para muitos. Isso aqui nunca foi um diário, sempre foi uma forma amplificada de desabafo. Por fim, com o desaparecimento deste personagem, que escrevia apenas sobre fulcro de suas mazelas interiores, estes escritos perderam o sentido. Escrever sobre o lindo dia lá fora? Tenha paciência, é muito melhor estar lá fora! Carpe diem.

    That's it, end of story, period.

    quarta-feira, dezembro 10, 2003

    A Change of seasons

    Casa nova, vida nova...


    --------------------------------------------------------------------------------

    Em uma tentativa de retratar a apreciação de pequenas e belas coisas que nos cercam. Há que valorizar, la vita è bella...!

    Neste momento, uma ruidosa dança de palmeiras em frente a minha janela faz-me direcionar a vista para um auspicioso Guaíba (ainda que convalescente), o sol radiante como se quisera beijá-lo, gatos pululam no telhado, tão seguros de si - o Fritz! -, enquanto frondosos eucaliptos brindam as copas em meneios de brisa morna, flores que exibem cores insufladas, a exalar aromas em regojizo de uma primavera fora de época, estas parecem dizer: "renova-te, faz-te pleno, belo, inexorável, aos moldes do tempo"...

    É a vista da minha janela. Fica como lembrança, agora que estou indo para nova morada... só falta o Fritz (é um preguiçoso, no momento da foto devia estar dormindo embaixo de algum carro).

    Books

    • CHESTERTON, G. K.. Ortodoxia
    • CLAUSEWITZ, Carl von. Der Krieg
    • COLERIDGE, S. T. Biographia Literaria
    • EVOLA, Julius. Men Among the Ruins
    • GUDERIAN, Generaloberst Heinz. Panzer Leader
    • GUÉNON, René. The Crisis of the Modern World
    • JUNGER, Ernst. Storm of Steel
    • SCHMITT, Carl. Der Begriff des Politischen
    • SWIFT, Jonathan. Panfletos Satíricos

    Fave music:

    Syd Barrett's Pink Floyd, Cream & Clapton, King Crimson, Univers Zero, Heldon, Faust, Magma, Mahavishnu Orchestra, Miles Davis, Astor Piazzola, Frank Zappa, Marty Friedman, Al Di Meola, Jefferson Airplane, Led Zeppelin, Funkadelic, Allman Brothers, Blue Cheer, Beatles, U2, Chrome, Velvet Underground, The Stooges, John Cage, Villa-Lobos, Beethoven, Bartók, Stravinsky, Bach... & Coltrane, Coltrane, Coltrane, C-O-L-T-R-A-N-E-!

    E SLAYER, PORRA.

    Pleonasmo


    Powered by Blogger

    Resolução mínima recomendada: 800x600


    O Autor

    O homem só será capaz de atingir sua racionalidade plenamente quando for capaz de despir-se de tudo o que lhe deveria ser abstruso, principalmente os adereços da ignorância e do preconceito.

    Plus au sujet de moi: Vous la saurez en temps voulu... Ou peut-être vous ne saurez jamais... Qui sait? Ah, arquétipos: tropismo por mulheres de óculos.


    "O casaco de Arabela Tá com bosta na lapela É bom, mas está borrado. Veio o inverno, veio o frio, O casaco ainda serviu, Borrado não é rasgado." Bertolt Brecht


    Humor: Les couleurs du chat peuvent changer.